Connect with us

Coronavírus

Unicef prepara estoque de 1 bilhão de seringas para futura vacina contra Covid-19

Publicado

em

Unicef/Patrick Brown Funcionária de sáude prepara vacina em assentamento de refugiados rohingya em Bangladesh
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Chefe da agência diz que vacinar o mundo contra o novo coronavírus será um dos maiores empreendimentos da história da humanidade; vários parceiros trabalham para garantir segurança, rapidez e eficácia da cadeia de distribuição.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, vai reservar 520 milhões de seringas até o final do ano para garantir o abastecimento quando uma vacina contra a Covid-19 estiver pronta. Até 2021, o plano é chegar a 1 bilhão destes equipamentos.

Assim que as vacinas forem licenciadas, o mundo precisará de tantas seringas quantas doses de vacina. O objetivo é garantir que o tipo de equipamento chegue aos países antes das vacinas.

Cada dose de vacina precisa de uma seringa diferente, Unmiss/Tim McKulka

Preparação

Supondo que haja doses suficientes, o Unicef prevê a entrega de mais de 1 bilhão de seringas. Além disso, comprará 620 milhões para programas contra outras doenças, como o sarampo e febre tifoide.

Em comunicado, a diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore, disse que “vacinar o mundo contra a Covid-19 será um dos maiores empreendimentos em massa da história da humanidade e é preciso agir tão rápido quanto a produção de vacinas.”

Segundo a chefe da agência, para isso acontecer, é preciso atuar agora. Para Fore,  as seringas “poderão ser enviadas de forma rápida e econômica.”

A agência está trabalhando com o seu parceiro Aliança Global de Vacinas, Gavi.

Distribuição

Além das seringas, o Unicef também está comprando 5 milhões de caixas de segurança para que os materiais possam ser descartados de maneira segura, evitando o risco de ferimentos e doenças transmitidas pelo sangue. Cada caixa contém 100 unidades.

Equipamentos de injeção têm vida útil de cinco anos. Os prazos de entrega também são longos, pois esses itens são volumosos e precisam ser transportados por frete marítimo.

As vacinas sensíveis ao calor são normalmente transportadas mais rapidamente por via aérea. Além de economizar tempo, a compra antecipada de seringas e caixas de segurança também reduz a pressão no mercado e previne picos iniciais de demanda.

Compra antecipada de seringas e caixas de segurança reduz a pressão no mercado e previne picos iniciais de demanda

Parceria

Como o principal coordenador de compras da Gavi, o Unicef já é o maior comprador individual de vacinas do mundo, adquirindo mais de 2 bilhões de doses de vacinas anualmente para imunização de rotina e resposta a surtos em nome de quase 100 países.

Leia também:  Taurus fornecerá refeições a Brigada Militar e Guarda Municipal enquanto decreto do Prefeito de São Leopoldo mantiver os restaurantes fechados

Todos os anos, a agência fornece vacinas para quase metade das crianças do mundo, adquirindo e fornecendo entre 600 e 800 milhões de seringas para programas regulares de imunização. As vacinas contra a Covid-19 devem triplicar ou quadruplicar esse número.

Em comunicado, o diretor executivo da Gavi, Seth Berkley, lembrou que, ao longo de duas décadas, a Aliança Global de Vacinas ajudou mais de 822 milhões de crianças dos países mais vulneráveis ​​do mundo a ter acesso a vacinas essenciais.

Segundo ele, “isso não teria sido possível sem a parceria com o Unicef e é essa mesma colaboração que será fundamental para o trabalho da Gavi com o Covax.”

Segurança

Funcionário de saúde faz teste de Covid-19, Unicef Nepal

Para garantir que as vacinas sejam transportadas e armazenadas na temperatura certa, o Unicef e a OMS estão mapeando os equipamentos da cadeia de frio e a capacidade de armazenamento, tanto no setor privado quanto no público. Também estão preparando as orientações para os países receberem as vacinas.

Henrietta Fore disse que as agências estão “fazendo tudo o que podem para entregar esses suprimentos essenciais de forma eficiente, eficaz e na temperatura certa, como já fazem tão bem em todo o mundo.”

Mesmo antes da pandemia, com o apoio da Gavi e em parceria com a OMS, o Unicef estava atualizando o equipamento da rede de frio existente nas unidades de saúde dos países para garantir que as vacinas permaneçam seguras e eficazes durante toda a viagem.

Desde 2017, mais de 40 mil geladeiras de cadeia de frio foram instaladas em unidades de saúde, principalmente na África. Na maioria dos países, o Unicef promove tecnologias solares para ajudar a manter as cadeias de abastecimento.

No Sudão do Sul, por exemplo, o país menos eletrificado do mundo, onde as temperaturas frequentemente excedem 40 º C, mais de 700 unidades de saúde foram equipadas com geladeiras de energia solar, aproximadamente 50% das unidades de saúde do país.

Fonte: Nações Unidas

Leia também:  Coreia do Norte volta a lançar mísseis
Continue Lendo
Patrocinado
Clique para comentar

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Coronavírus

Funcionária de hospital de Porto Alegre morre após segunda infecção de Covid-19

Publicado

em

Por

Gisa era casada e deixa três filhos do primeiro casamento. | Foto: Reprodução
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Após passar duas semanas internada na UTI do hospital de Tramandaí, mulher de 34 anos não resistiu.

Foi sepultada no Cemitério Municipal de Tramandaí, no início da tarde desta quinta-feira, Gislaine Pinto Lopes, 34 anos, que morreu por Covid-19, após uma segunda infecção. Após passar duas semanas internada na UTI do hospital da cidade onde morava, a jovem, que trabalhava como funcionária terceirizada do Hospital Fêmina, em Porto Alegre, não resistiu e morreu durante a madrugada.

Estudante do curso de técnico em Enfermagem no Grupo Hospitalar Conceição, Gislaine chegou a contrair a doença no início da pandemia e se curou. Recentemente, precisou cuidar dos pais, também diagnosticados com o coronavírus. Foi a partir de novembro que apareceram os sintomas que a levaram para o hospital. A gerência de Ensino e Pesquisa do GHC divulgou uma nota de pesar. “Jovem, cheia de luz e muito querida por todos, a Gisa lutou bravamente contra a Covid-19, mas infelizmente nos deixou na madrugada de hoje. Estamos entristecidos por não mais compartilhar da sua presença, entretanto muito orgulhosos de sua bravura. Seu exemplo nos motivará a seguir lutando”, diz trecho.

“Era uma pessoa muito especial, muito querida por todos”, lamentou a coordenadora do curso, Dinara Dornfeld. Segundo ela, professores, colegas e funcionários estão abalados com a partida precoce de Gisa, uma aluna conhecida pela dedicação. “Não faltava aulas, tinha uma grande expectativa de profissionalização e melhorar de vida”, lembra Dinara. Gisa trabalhava à noite como recepcionista e estudava durante o dia, recorda a coordenadora do curso. “Era muito parceira dos colegas, sempre ajudando a quem precisava. A gente fica muito sentido”.

O dia de aula nesta quinta-feira, virtual, reuniu as pessoas que conviviam com Gisa. “Foi um jeito de a gente conversar, se confortar. Lembramos de cenas com muito carinho e amor. Ela era muito engraçada”, disse Dinara. A coordenadora alerta para a Covid-19, uma doença da qual ainda se sabe pouco. “A Gisa era uma pessoa muito consciente e, até por trabalhar na área da Saúde, tomava todos os cuidados dentro das possibilidades dela. O que temos a fazer é ficarmos atentos para tentar nos proteger e aos nossos ao máximo”, orientou.

Leia também:  Acidente com ônibus mata 16 pessoas no Peru

Gisa era casada e deixa três filhos do primeiro casamento.

Fonte: Correio do Povo

Continue Lendo

Coronavírus

Compra de vacina contra Covid-19 será avaliada hoje por prefeitos

Publicado

em

Por

Agência não detalhou o episódio | Foto: Governo de São Paulo / Divulgação / CP
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Representantes de municípios da Grande Porto Alegre, do Vale do Sinos, da Fronteira-Oeste e da Região da Campanha participarão de seminário virtual para discutir o tema

Prefeitos da Grande Porto Alegre, do Vale do Sinos, da Fronteira-Oeste e da Campanha se reúnem nesta sexta-feira, às 14h45, para debater formas de viabilizar a compra da vacina contra a Covid-19. A videoconferência terá a palestra do presidente do Butantan, Dimas Tadeu Covas, que falará sobre a Coronavac, em desenvolvimento pela empresa chinesa Sinovac, em parceria com o instituto brasileiro.

O encontro virtual é organizado pelo Consórcio dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), com a participação do Consórcio Pró-Sinos e do Codepampa.

O presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) e prefeito de Rodeio (SC), Paulo Roberto Weiss, vai falar sobre o convênio que a entidade e o Butantan estão firmando para a aquisição.

“Nossa intenção é avaliar como está ocorrendo esse processo no estado vizinho e, eventualmente, tomarmos medida semelhante aqui no Rio grande do Sul, buscando a participação da Famurs”, explica a presidente da Granpal e prefeita de Nova Santa Rita, Margarete Ferretti.

Continue Lendo

Coronavírus

“Agora Não”: campanha reforça restrições para o enfrentamento à pandemia no Rio Grande do Sul

Publicado

em

Por

Estado anunciou novas medidas para enfrentamento à pandemia. Foto: Divulgação/SES
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

A campanha “#TeCuidaRS”, de combate ao coronavírus, lançada em 11 de novembro pelo governo gaúcho, ganhou um complemento. “AGORANÃO.RS” é a mensagem que estampa as novas peças publicitárias, que passaram a circular na televisão, nas redes sociais e nas rádios nesta quinta-feira (3).

Diante do aumento do número de casos de Covid-19 no Rio Grande do Sul e devido à proximidade das festas de fim do ano, o governo do Estado anunciou novas medidas para enfrentamento à pandemia. Entre as quais, está o reforço na campanha de comunicação para conscientizar a população sobre a importância de seguir os protocolos.

“Esta mensagem alerta para que tenhamos mais cuidado e respeito ao próximo. Precisamos nos cuidar e cuidar dos outros. E isso não vale apenas para grandes eventos ou balada, pois, segundo o novo decreto, aglomeração já se configura na reunião de mais de seis pessoas. Por isso, precisamos nos conscientizar de que ‘AGORA NÃO’ é a hora de churrasco com os amigos, festas e comemorações”, afirmou a secretária de Comunicação, Malu Macedo.

Entre as medidas publicadas no Decreto 55.609, válidas do dia 1° dia 14 de dezembro, estão a suspensão temporária do sistema de cogestão e alterações em protocolos de bandeira vermelha (risco epidemiológico alto), como a suspensão de eventos e festas de fim de ano, inclusive condomínios, incentivo à restrição de reuniões privadas e familiares, além do reforço na campanha de comunicação e a ampliação da fiscalização dos protocolos.

“Agora, o que queremos é que as pessoas se encontrem menos, em festas e confraternizações, ou mesmo em parques e locais públicos, onde tendem a se cuidar menos. Não é hora de aglomerações. Reduzir contatos é muito importante neste momento, porque quebramos o ciclo de contágio”, explicou o governador Eduardo Leite ao divulgar as ações na segunda-feira (30/11).

Leia também:  Brasil é considerado epicentro mundial da covid-19. Só 32% dos estados detalham infecções

O Sul
Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana