InícioEconomiaPreço dos combustíveis tem maior impacto para a população de menor renda

Preço dos combustíveis tem maior impacto para a população de menor renda

Segundo Luciano Nakabashi, o preço alto é resultado da demanda de petróleo em nível mundial e do câmbio, que depende da instabilidade que vivemos hoje, muito grande em termos políticos e econômicos”

 

De instabilidade política e econômica à seca intensa, a alta dos preços dos combustíveis só agrava a inflação e aumenta a conta no bolso do consumidor. Essa é a avaliação de Luciano Nakabashi, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, sobre a situação atual, resultado da “demanda de petróleo em nível mundial e do câmbio, que depende da instabilidade que vivemos hoje, muito grande em termos políticos e econômicos”.

 

O quanto esse aumento afeta a vida do povo brasileiro depende da renda e “de como a pessoa usa os combustíveis”, diz Nakabashi. Se usa transporte público ou o próprio e a distância que percorre nas atividades diárias são variáveis que podem significar mais ou menos gastos. Mas uma coisa é certa: “Quanto maior a renda, o aumento tem um impacto relativamente menor; quanto menor a renda, o aumento do preço tem um impacto significativo”.

 

Questionado sobre a possibilidade de queda nesses valores, Nakabashi diz que sim, desde que as duas situações que cita melhorem, criando tendência “de apreciação do câmbio e redução em reais do preço do petróleo”.

Já para Renê Carlos Abbad, vice-presidente da Brascombustíveis, uma associação brasileira de donos de postos, essa é uma pergunta difícil de responder, pois o mercado de combustíveis “é um mercado à vista”, que depende de duas variáveis, a cotação do petróleo e a variação do dólar. “Se, por um lado, o petróleo tem tido alguma queda recente, por outro, o dólar tem se valorizado em relação ao real”, exemplifica.

 

E, quanto ao etanol, Abbad informa que vem enfrentando problemas em função do óleo diesel e também em função do clima, já que “a maior seca dos últimos 91 anos se reflete na produção do etanol”.

Por  USP

Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui
Gostou desta notícias? Compartilhe nos botões abaixo!
LEIA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Mais lidas

60% das mulheres europeias não sabem como se auto-examinar para ver se há câncer de mama

Para ver o vídeo:  https://www.youtube.com/watch?v=5N0IZo-uZBI Outubro é o mês do câncer de mama e, no dia 19 de outubro, é o Dia Internacional contra a doença   A...

Agricultores alertam no Senado que falta de insumos põe em risco a safra de 2022 Fonte: Agência Senado

A falta de insumos agrícolas para o plantio pode colocar em risco a safra do ano que vem, segundo participantes de audiência pública que...

Atendimento a pessoas com necessidades especiais é tema de Congresso de Odontologia

A 20ª Semana Estadual da Promoção da Saúde Bucal-Desafio do Olhar Integral começa na próxima quinta-feira (21) com o Seminário Temático-Programa Saúde na Escola,...
Publicidade

Assine a nossa newsletter

As principais notícias do Portal G10News diretamente em seu e-mail: