Connect with us

Ciência & Saúde

Pacientes com câncer saúdam a ‘droga viva’ que reprograma sistemas imunológicos para combater doenças

Publicado

em

Em um tratamento inovador, o sistema imunológico de pacientes com câncer está sendo geneticamente reprogramado para combater o câncer terminal por eles, com resultados promissores.

 

No Reino Unido, vários pacientes do Serviço Nacional de Saúde (NHS) com linfoma no King’s College Hospital receberam CAR-T, uma “droga viva” que é única para cada paciente, pois contém algumas de suas próprias células.

“É um novo desenvolvimento muito empolgante e dá uma nova esperança a muitos de nossos pacientes”, disse Victoria Potter, hematologista do King’s College Hospital à BBC. “É incrível poder ver essas pessoas, a quem você pode não ter conseguido dar esperança, realmente alcançando a remissão”.

Partes do sistema imunológico do paciente, os glóbulos brancos, são tomadas e congeladas em nitrogênio antes de serem enviadas para laboratórios nos EUA, onde são geneticamente reprogramadas para encontrar e destruir o câncer, em vez de matar vírus e bactérias como normalmente o fazem. As células então se tornam células T receptoras do antígeno quimérico, ou CAR-T e são colocadas de volta na corrente sanguínea do paciente, onde crescem e começam a trabalhar lutando contra o câncer.

O tratamento é caro e vem com potenciais efeitos colaterais. “Os pacientes que recebem o tratamento podem experimentar uma série de efeitos colaterais desagradáveis ​​da febre alta; vômito; e diarréia à confusão; afasia (dificuldade para entender ou falar); e perda de consciência “,  disse o Dr. Reuben Benjamin, Consultor Hematologista da King’s.Embora as estatísticas de longo prazo sobre o tratamento ainda não estejam disponíveis, em ensaios clínicos, 40% dos pacientes com linfoma terminal tiveram todos os sinais da doença eliminados de seu corpo dentro de 15 meses.

RT

Gosta dessa história? Compartilhe isso com um amigo!

Ciência & Saúde

Jovem infectada pela Covid-19 recebe transplante duplo de pulmões nos Estados Unidos

Publicado

em

Por

A cirurgia ocorreu no Northwestern Memorial Hospital, em Chicago Foto: Divulgação

Uma jovem de 20 anos, que teve os dois pulmões danificados pelo coronavírus, recebeu um transplante duplo no Northwestern Memorial Hospital, em Chicago, nos Estados Unidos.

Trata-se do primeiro transplante de pulmão conhecido nos EUA por consequência da Covid-19. A cirurgia durou dez horas e exigiu mais cuidados do que o normal. A inflamação causada pela doença havia deixado os pulmões da mulher “completamente colados aos tecidos ao redor, como coração, parede toráxica e diafragma”, segundo o médico Ankit Bharat, chefe de cirurgia torácica e diretor do programa de transplante de pulmão do hospital.

A paciente apresenta boa recuperação clínica, mas segue ligada ao ventilador mecânico. Embora tenha recebido pulmões saudáveis, a doença deixou os músculos do peito muito fracos para respirar, necessitando de readaptação. “O transplante era sua única chance de viver”, disse o médico.

A paciente não teve o nome revelado, mas trata-se de uma hispânica que vive e trabalha em Chicago. Segundo o hospital, ela tinha “uma doença menor” que exigia o uso de medicamento, mas não estava claro se isso a colocava em um grupo de risco. A mulher foi internada em 26 de abril.

O Sul

Continue Lendo

Ciência & Saúde

Conselho Federal de Nutrição autoriza atendimentos online devido à pandemia do coronavírus

Publicado

em

Por

Em virtude do confinamento e da pandemia do coronavírus, o Conselho Federal de Nutrição (CFN) publicou a Resolução nº 646 permitindo teleconsultas e teleatendimento, abrindo um leque de oportunidades para profissionais e também para pacientes em potencial que buscam um melhor qualidade de vida, saúde e boa forma.

Agora é possível ter orientação profissional no que diz respeito a nutrição durante a quarentena e já não há mais desculpas para não melhorar a saúde e entrar em forma. A liberação do CFN resultou em grande procura destes profissionais neste período de confinamento.

Dr. Leone Gonçalves, nutricionista e preparador físico, é um dos profissionais que começou a colocar em prática o teleatendimento e revela que já tem uma série de pacientes aderindo novo protocolo: “tanto pacientes que faziam acompanhamento comigo como novos, que tomaram conhecimento desta possibilidade agora, estão aderindo em massa a esta modalidade. Com a liberação, tenho aumentadas as minhas possibilidades de acompanhamento o que também aumenta a efetividade do trabalho desenvolvido com cada um.”

Dr Leone Gonçalves/Reprodução / MF Press Global


Benefícios

O nutricionista revela quais são as principais vantagens e ganhos com a liberação do Conselho Federal de Nutrição para o paciente: “O nutricionista é o profissional capaz de avaliar o estado nutricional de cada indivíduo, recolher informação acerca da dieta alimentar, história clínica, alergias ou intolerâncias alimentares e eventuais queixas gastrointestinais. Perante esta informação e com a possibilidade da teleconsulta é possível apoiar quem está do outro lado da tela do computador no planeamento de objetivos (de peso, composição corporal, marcadores clínicos) e determina necessidades nutricionais individuais que resultam na elaboração de um plano alimentar personalizado, adequado às necessidades, mas também às preferências e limitações de cada indivíduo que vão permitir que cada um alcance seus objetivos mesmo na quarentena.”

Continue Lendo

Ciência & Saúde

Astronautas fazem exames médicos no espaço antes de voltarem à Terra em abril

Publicado

em

Por

Os três próximos astronautas a serem enviados à Estação Espacial Internacional (ISS) estavam no Cosmonaut Hotel, localizado no Cazaquistão, se preparando para o lançamento. Os preparativos incluem uma série de exames com equipamentos sofisticados para garantir que o trio esteja nas condições físicas adequadas.

Enquanto isso, os tripulantes da Expedição 62, atualmente a bordo da ISS, também participaram de exames oftalmológicos e verificações de radiação. A estação espacial é equipada com instrumentos de exames cardíacos e de bioimpressão 3D para ajudar a NASA a melhorar a saúde dos astronautas.

Neste laboratório em órbita, a equipe da estação passou a tarde da última quinta-feira (26) examinando seus olhos com um aparelho de ultrassom da Human Research Facility e um equipamento de tomografia óptica, que usa ondas de luz para mapeamento não invasivo e medição da retina.

Também foram realizados testes de uma bioimpressora 3D sem usar células humanas. O dispositivo tem como objetivo fabricar órgãos humanos no espaço e poderá ser útil para futuros astronautas em missões interplanetárias.

Jessica Meir verificou amostras de tecido muscular cardíaco criado pelo dispositivo para uma pesquisa que explora a função cardíaca na ausência de gravidade. Após uma semana de experimentos, a bioimpressora foi desativada e armazenada. No futuro, ela poderá imprimir alimentos e medicamentos para astronautas em missões mais distantes da Terra.

Os astronautas também prepararam a espaçonave de transporte de cargas Dragon, da SpaceX, que está atracada na ISS, e deverá voltar à Terra no dia 6 de abril.

De volta à Terra, no Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, os três tripulantes da Expedição 63 deixaram o Cosmonaut Hotel na sexta-feira (27) para atividades de pré-lançamento. As atividades do dia incluíram celebrar heróis da história da exploração espacial, como Yuri Gagarin. O lançamento da Expedição 63 está previsto para o dia 9 de abril.

// Canaltech

Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana

Notícias no seu WhatsApp whatsapp