Pacientes com câncer saúdam a ‘droga viva’ que reprograma sistemas imunológicos para combater doenças

0
188
FOTO DE ARQUIVO © AFP / Saul Loeb
Em um tratamento inovador, o sistema imunológico de pacientes com câncer está sendo geneticamente reprogramado para combater o câncer terminal por eles, com resultados promissores.

 

No Reino Unido, vários pacientes do Serviço Nacional de Saúde (NHS) com linfoma no King’s College Hospital receberam CAR-T, uma “droga viva” que é única para cada paciente, pois contém algumas de suas próprias células.

“É um novo desenvolvimento muito empolgante e dá uma nova esperança a muitos de nossos pacientes”, disse Victoria Potter, hematologista do King’s College Hospital à BBC. “É incrível poder ver essas pessoas, a quem você pode não ter conseguido dar esperança, realmente alcançando a remissão”.

Partes do sistema imunológico do paciente, os glóbulos brancos, são tomadas e congeladas em nitrogênio antes de serem enviadas para laboratórios nos EUA, onde são geneticamente reprogramadas para encontrar e destruir o câncer, em vez de matar vírus e bactérias como normalmente o fazem. As células então se tornam células T receptoras do antígeno quimérico, ou CAR-T e são colocadas de volta na corrente sanguínea do paciente, onde crescem e começam a trabalhar lutando contra o câncer.

O tratamento é caro e vem com potenciais efeitos colaterais. “Os pacientes que recebem o tratamento podem experimentar uma série de efeitos colaterais desagradáveis ​​da febre alta; vômito; e diarréia à confusão; afasia (dificuldade para entender ou falar); e perda de consciência “,  disse o Dr. Reuben Benjamin, Consultor Hematologista da King’s.Embora as estatísticas de longo prazo sobre o tratamento ainda não estejam disponíveis, em ensaios clínicos, 40% dos pacientes com linfoma terminal tiveram todos os sinais da doença eliminados de seu corpo dentro de 15 meses.

RT

Gosta dessa história? Compartilhe isso com um amigo!

Deixe seu Comentário! Comentários de leitores ou artigos assinados são de responsabilidade de seus autores e não expressam a opinião do G10News