Connect with us

Internacional

Mais de 500 pescadores contraem doença de pele misteriosa no Senegal

Publicado

em

© REUTERS / Sylvain Cherkaoui
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Mais de 500 pescadores foram infectados por um doença de pele misteriosa no Senegal após retornarem do mar, informou um oficial sênior de Saúde do governo nesta quinta-feira (19).

Os homens, que vêm de diversas cidade pesqueiras nos arredores de Dakar, a capital do Senegal, foram colocados em quarentena para tratamento, informou Ousmane Gueye, diretor nacional de Informação e Educação em Saúde, segundo a agência Reuters.

“É uma dermatite associada a uma doença infecciosa“, disse Gueye à Reuters. “Estamos investigando e esperamos descobrir logo o que é”, acrescentou.

Um relatório do Ministério da Saúde do país africano datado de 17 de novembro relata que os homens “tinham lesões na face, nas extremidades e, em alguns deles, nos genitais”. O documento acrescenta que os homens também estavam sentindo dores de cabeça e apresentavam febre baixa.

Segundo o relatório, uma investigação preliminar mostrou que o primeiro caso foi reportado em 12 de novembro. Um jovem de 20 anos apresentou sintomas como erupção vesicular não generalizada, inchaço da face, lábios secos e vermelhidão nos olhos.

Algumas imagens difundidas através da redes sociais mostram homens com lábios inchados e com bolhas e grandes erupções cutâneas nas mãos, segundo a Reuters.

De acordo com Gueye, a Marinha do Senegal será enviada ao local para coletar amostras de água para serem analisadas.

//Sputniknews

Continue Lendo
Patrocinado
Clique para comentar

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Vírus mortal encontrado na Bolívia é transmissível entre humanos

Publicado

em

Por

Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Vírus mortal encontrado na Bolívia é transmissível entre humanos

mundo: Um vírus encontrado na Bolívia que causa febre hemorrágica com sintomas semelhantes aos do ebola pode ser transmitido entre humanos, afirmam pesquisadores do CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos, em uma publicação divulgada nesta segunda-feira.

No documento, que faz parte do relatório anual da ASTMH (Sociedade Americana de Medicina Tropical e Higiene), os cientistas detalham evidências de que o mammarenavírus de Chapare se espalhou entre profissionais de saúde no país em 2019.

“Nosso trabalho confirmou que um jovem residente médico, um médico de ambulância e um gastroenterologista contraíram o vírus após encontros com pacientes infectados — e dois desses profissionais de saúde morreram mais tarde”, disse Caitlin Cossaboom, epidemiologista da Divisão de Patógenos e Patologia de Alta Consequência do CDC.

O grupo diz acreditar que fluidos corporais podem carregar o vírus. Ao menos cinco casos da febre hemorrágica causada pelo vírus de Chapare foram registrados no ano passado perto da capital La Paz.

Até então, o único registro desse vírus datava de 2004, justamente na província que lhe deu o nome, a cerca de 600 km a leste de La Paz.

O surto do ano passado deixou autoridades sanitárias locais e regionais em alerta. Pesquisadores do CDC e da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) imediatamente viajaram à Bolívia atrás de mais informações sobre o vírus mortal.

Eles constataram que o Chapare é da família dos arenavírus, que incluem outros patógenos perigosos, como o vírus Lassa, que mata milhares de pessoas todos os anos na África Ocidental, e o vírus Machupo, que também já atingiu a Bolívia e provocou mortes.

Leia também:  Primeiro presidente eleito democraticamente na Tunísia morre aos 92 anos

No Brasil, um caso de morte por arenavírus (chamado de Sabiá) foi identificado no ano passado.

Os sintomas da infecção pelo vírus estudado são semelhantes aos do vírus ebola: febre, dores abdominais, vômitos, sangramento nas gengivas, erupção cutânea e dor atrás dos olhos.

Como não há tratamento específico, os pacientes recebem suporte, na esperança de que o corpo consiga se defender do vírus.

Origem

Os pesquisadores tentam agora descobrir qual é o hospedeiro primário do vírus. Algumas provas genéticas compararam o RNA encontrado em humanos com o de roedores, mostrando grande semelhança com a espécie Oligoryzomys microtis.

Esses ratos analisados foram encontrados perto da casa do primeiro paciente do surto de 2019, um trabalhador agrícola que também morreu.

Entretanto, não houve como comprovar, até o momento, que os roedores eram capazes de transmitir o vírus.

Cientistas acreditam que o vírus Chapare esteja circulando na Bolívia há vários anos, mas os pacientes infectados podem ter sido erroneamente diagnosticados como portadores de dengue, uma doença comum na região e que pode produzir sintomas semelhantes.

As informações são do R7.

Continue Lendo

Internacional

Joe Biden vence Donald Trump e é eleito presidente dos Estados Unidos

Publicado

em

Por

Joe Biden, candidato democrata à presidência dos EUA, durante evento em Pittsburgh no dia 2 de novembro — Foto: Andrew Harnik/AP
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Democrata passou dos 270 votos votos no colégio eleitoral, segundo projeções de diversos veículos de imprensa, como Associated Press, ‘New York Times’, NBC e CNN.

O democrata Joe Biden alcançou os 270 delegados no Colégio Eleitoral neste sábado (7), segundo projeções de diversos veículos de imprensa, número suficiente para derrotar o republicano Donald Trump e se sagrar o 46º presidente dos Estados Unidos.

Embora não oficial, esse tipo de projeção é suficiente para que a sociedade americana reconheça a eleição de um presidente.

Na manhã deste sábado, faltavam pelo menos 6 votos no colégio eleitoral para que Biden chegasse a 270 e sua vitória se confirmasse, segundo as projeções da Associated Press. Com a vitória projetada na Pensilvânia, Biden chegou a 284 delegados.

Outros veículos, como o “New York Times”, por exemplo, ainda não haviam declarado Biden vencedor no Arizona, que tem 11 delegados. Porém, com os 20 votos eleitorais da Pensilvânia, a disputa no Arizona passou a ser indiferente, já que não muda mais o resultado.

Medidas judiciais

O presidente Donald Trump alega que a eleição está sendo roubada e promete ações na Justiça. Logo após a declaração de Biden como vencedor na imprensa americana, sua campanha soltou nota dizendo que a eleição não acabou. A campanha republicana pediu recontagem em Wisconsin e tenta suspender a apuração na Pensilvânia, na Geórgia e em Michigan.

Também pediu interferência em um caso pendente na Suprema Corte dos EUA sobre a Pensilvânia, um estado importante da disputa que ainda está contando centenas de milhares de cédulas enviadas pelo correio. O republicano tenta impedir que o estado conte votos que cheguem depois da eleição.

Essas manobras judiciais de Trump ocorreram após ataques do republicano contra a integridade da votação, ao mesmo tempo em que declarou vitória e sugeriu — sem comprovação — que os democratas tentariam fraudar a eleição.

Leia também:  Urgente: Vice-ministro da Saúde do Irã tem coronavírus e pode ter contagiado jornalistas

Trump está tentando evitar se tornar o primeiro presidente em exercício dos EUA a perder uma candidatura à reeleição desde George H.W. Bush, em 1992.

por G1

Continue Lendo

Internacional

Donald Trump se recusa a aceitar vitória de Biden e promete tomar medidas legais

Publicado

em

Por

Presidente americano prometeu tomar medidas legais para colocar em xeque o resultado do pleito. Foto: Official White House Photo/Tia Dufour
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Donald Trump se recusou a aceitar a vitória de Joe Biden nas eleições norte-americanas, conforme foi anunciado no começo da tarde deste sábado (7) e, em comunicado, prometeu tomar medidas legais para colocar em xeque o resultado do pleito.

“Todos nós sabemos o motivo de Joe Biden estar correndo para falsamente posar como vencedor, e o motivo de a mídia aliada estar tentando tanto ajudá-lo: eles não querem que a verdade seja exposta”, atacou Trump, em comunicado divulgado pela sua equipe de imprensa.

O republicano segue alegando fraudes no processo eleitoral, ainda que não tenha mostrado provas disso, e não especificou que medidas legais tomará.

“O simples fato é que essa eleição está longe de estar encerrada. Joe Biden não foi confirmado como vencedor de nenhum estado, muito menos dos estados altamente questionáveis, que terão recontagem obrigatória”, acrescentou. “Na Pensilvânia, por exemplo, nossos observadores legais foram impedidos de acesso para acompanhar o processo de contagem. Votos legais decidem quem é o presidente, não a imprensa.”

No começo da tarde, Donald Trump deixou a Casa Branca pela primeira vez desde o início da apuração. Ele foi jogar golfe.

Neste meio tempo, a imprensa norte-americana confirmou as projeções de vitória de Biden, que atingiu 273 votos no colégio eleitoral, três a mais do que o mínimo necessário para ser confirmado como novo presidente dos Estados Unidos. Em seguida, Nevada confirmou mais seis pontos para Biden, agora com 279.

Segundo fontes ouvidas pela CNN, não há qualquer plano para de Donald Trump para convidar Biden para uma visita à Casa Branca nos próximos dias.

Trump e sua equipe de advogados vêm contestando os resultados das eleições e o presidente chegou a se declarar vencedor e clamar, no Twitter: “parem a contagem!”.

Leia também:  Primeiro presidente eleito democraticamente na Tunísia morre aos 92 anos

A apuração nos EUA segue em estados que podem ampliar a vantagem de Biden, Arizona e Geórgia, ambos com o democrata à frente por discreta margem.

Comunicado completo

“Todos nós sabemos o motivo de Joe Biden estar correndo para falsamente posar como vencedor, e o motivo de a mídia aliada estar tentando tanto ajudá-lo: eles não querem que a verdade seja exposta. O simples fato é que essa eleição está longe de estar encerrada. Joe Biden não foi confirmado como vencedor de nenhum estado, muito menos dos estados altamente questionáveis, que terão recontagem obrigatória. Na Pensilvânia, por exemplo, nossos observadores legais foram impedidos de acesso para acompanhar o processo de contagem. Votos legais decidem quem é o presidente, não a imprensa.

Começando na segunda-feira, nossa campanha vai começar a trabalhar nosso caso na corte para garantir que as leis eleitorais sejam respeitadas completamente e que o vencedor por direito seja confirmado. O povo americano tem direito a uma eleição honesta. Isso significa contar todas as cédulas, e não contar nenhuma cédula ilegal. Essa é a única maneira de garantir ao público confiança total em nossa eleição. Segue chocante que a campanha de Biden se recuse a concordar com princípios básicos e queiram cédulas contadas mesmo que sejam fraudulentas, manufaturadas, ou enviadas por eleitores inelegíveis. Só um partido engajado em transgressões poderia manter injustamente observadores fora das salas de contagem – e então lutar na corte para bloquear seus acessos.

Então, o que Biden está escondendo? Eu não vou descansar enquanto o povo norte-americano não tenha a contagem de votos que merece e que a democracia demanda.”

Os Estados Unidos não têm um órgão oficial que divulga, em tempo real, os resultados das urnas, como o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) no Brasil. Por isso, as agências de notícias e veículos de comunicação como AFP, AP e Fox fazem extrapolações estatísticas e apontam os vencedores por Estado.

Leia também:  Morre a sexta vitima do acidente na ERS-287 em Taquari

O Sul

Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana