InícioInternacionaisÁfricaGoverno confirma ao menos 15 militares mortos em ataques rebeldes em Camarões

Governo confirma ao menos 15 militares mortos em ataques rebeldes em Camarões

País tem registrado episódios de violência no conflito entre separatistas anglófonos e tropas nacionais desde que a crise explodiu, em 2016

Em meio à crise que explodiu em 2016, Camarões continua registrando episódios de violência no conflito entre separatistas anglófonos e tropas nacionais. Nos episódios mais recentes, o governo anunciou a morte de ao menos 15 militares e um número ainda incerto de civis em dois ataques empreendidos por rebeles. As informações são da rede norte-americana Voice of America (VOA).

 

O ataque mais recente ocorreu no dia 16 de setembro, quando indivíduos fortemente armados, que as autoridades locais classificam como “terroristas”, armaram uma emboscada contra um comboio de oficias das forças de elite camaronesas. O outro ataque, também no noroeste do país, ocorreu no dia 12 de setembro, igualmente contra um grupo de veículos militares.

“Usando IED (dispositivos explosivos improvisados, da sigla em inglês) e um lançador de foguetes antitanque, os insurgentes imobilizaram os veículos antes de abrirem fogo pesado contra eles”, diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores do país.

Por que isso importa?

A crise em Camarões começou em 2016, quando professores e advogados tomaram as ruas para protestar contra o domínio do francês nos tribunais e nas escolas de língua inglesa. A greve ganhou corpo rapidamente, e em novembro uma boa parte da população já pedia por reformas políticas.

 

Os grupos separatistas anglófonos ganharam força, e mesmo com a pandemia a violência teve escalada rápida. Os conflitos se concentram nas províncias do noroeste e do sudeste, com acusações mútuas de assassinatos de civis. Mais de 3,5 mil pessoas morreram desde então, e pelo menos 700 mil foram forçadas a deixar suas casas.

O Ministério da Defesa acusa “a existência de ligações e trocas de armamentos sofisticados” entre “terroristas separatistas” e “outras entidades terroristas que operam além das fronteiras”, incluindo grupos extremistas islâmicos.

Sem sucesso nas tentativas de firmar um acordo de paz com os combatentes, o presidente Paul Biya, há 38 anos no poder, já pediu ajuda à UE (União Europeia), e aos Estados Unidos.

Fonte: A Referencia

Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui
Gostou desta notícias? Compartilhe nos botões abaixo!
LEIA TAMBÉM

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Publicidade

Mais lidas

A blogger do momento, Anne Andrade está lançando ações sociais

Andrade supera os 100k seguidores em cinco meses no instagram! Foi assim com a galera pedindo no grito, Anne no insta!!! Anne no instaaa!!! que...

Caçador de tesouros encontra relíquias da Idade do Ferro. Podem ter sido enterradas por medo de um vulcão

Um caçador de tesouros descobriu um esconderijo em Vindelev, na Dinamarca, que guardava luxuosas jóias, medalhões e moedas romanas – o maior e mais...

Beyoncé posa para JayZ durante um passeio de barco em Veneza

Beyoncé, mostrou ao público nesta terça-feira (19) as proezas de JayZ na fotografia. A cantora postou uma série de fotos em seu Instagram, incluindo...
Publicidade

Assine a nossa newsletter

As principais notícias do Portal G10News diretamente em seu e-mail: