Connect with us

Economia

Faturamento da indústria cresce 1,3%, aponta CNI

Publicado

em

Este é o quinto mês consecutivo de alta do indicador que registra um crescimento de 3,5% em relação a outubro de 2018

O faturamento da indústria brasileira cresceu 1,3% em outubro na comparação com setembro. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (2), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), por meio da pesquisa Indicadores Industriais.

O economista da CNI Marcelo Azevedo ressalta que este foi o quinto mês consecutivo de crescimento do indicador, que registra uma alta de 3,5% em relação a outubro do ano passado.

“Este aumento mais forte do faturamento em outubro e essa sequência que é muito importante para a recuperação do faturamento decorre de um ajuste importante que está acontecendo na indústria, que é o ajuste dos estoques. Os estoques estão sendo cada vez mais ajustados próximos ao planejado pela empresa, e, além disso, a gente vê uma melhora da demanda. Esse ajuste nos estoques com o aumento da demanda significa que a gente pode, nos próximos meses começar a ter outros números mais fortes, atividade que a gente já começou a sentir e começar a ter horas trabalhadas e até mesmo emprego crescendo nos próximos meses”, afirma.

De acordo com a pesquisa, as horas trabalhadas na produção tiveram pequena queda de 0,1% em outubro frente a setembro e estão 0,1% maiores do que a do mesmo mês do ano passado.

Economia

Saques e transferências do auxílio emergencial são liberados para mais 4,1 milhões nesta terça-feira

Publicado

em

Por

Também nesta terça, Caixa paga primeira parcela do auxílio de R$ 300 para 1,6 milhão de beneficiários que fazem parte do Bolsa Família

A CEF (Caixa Econômica Federal) libera nesta terça-feira (29) saques e transferências de novas parcelas do Auxílio Emergencial para 4,1 milhões de beneficiários do programa nascidos em março, que tiveram o dinheiro creditado em poupança social digital no último dia 4 de setembro.

Também nesta terça, a Caixa paga a primeira parcela de R$ 300 (a sexta do Auxílio Emergencial) a 1,6 milhão de trabalhadores que fazem parte do Bolsa Família, cujo número do NIS é terminado em 9. Os beneficiários fora do Bolsa Família já podiam usar os recursos para pagamento de contas e compras por meio do cartão virtual.

Na noite de segunda-feira, o governo divulgou as datas de pagamento das parcelas de R$ 300 do Auxílio Emergencial para beneficiários fora do Bolsa Família. Veja aqui como ficou o calendário, e aqui para tirar dúvidas sobre as novas parcelas.

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br.

O Sul

Continue Lendo

Economia

Conheça o Renda Cidadã, substituto do Bolsa Família

Publicado

em

Por

(Foto: EBC)

O governo anunciou o novo programa de transferência de renda, que pretende usar parte do recurso da educação básica como fundo.

O governo anunciou o novo programa de transferência de renda que vai substituir o bolsa família. O renda cidadã vai utilizar parte do fundeb, o fundo de manutenção e desenvolvimento da educação básica e de valorização dos profissionais da educação.

 

A outra proposta é que o governo utilize recursos de precatórios, que são títulos de dívida pública, para bancar o programa. De acordo com o planalto, a intenção é não ultrapassar o teto de gastos.

 

Anteriormente a união chegou a anunciar outro programa, o renda brasil, mas após controvérsias dentro da equipe econômica do governo, o programa foi substituído.

 

Ainda não foi divulgado detalhes e nem o valor que será pago para as famílias com o novo programa.  Hoje, o bolsa família, paga de 41 a 89 reais por mês para cada criança de uma família de baixa renda. É possível acumular até cinco benefícios. O bolsa família, criado em 2003, é destinado para famílias pobres ou em extrema pobreza.

Continue Lendo

Economia

Dólar atinge maior valor desde maio com impasse em programa social

Publicado

em

Por

© Reuters/Nazanin Tabatabaee/ West Asia News Agency

Bolsa fechou no menor nível em três meses em dia de nervosismo

O novo programa social do governo Renda Cidadã fez o dólar ultrapassar a barreira de R$ 5,60 e fechar no maior valor em quatro meses por dúvidas sobre o financiamento do programa. A bolsa de valores despencou e fechou no menor nível em três meses.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (28) vendido a R$ 5,635, com alta de R$ 0,079 (+1,42%). Essa foi a maior cotação de fechamento desde 20 de maio, quando a moeda norte-americana tinha encerrado em R$ 5,69.

A divisa começou o dia em queda, mas inverteu o movimento após o anúncio de que o governo pretende usar recursos de precatórios e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) para custear o Renda Cidadã, programa que pretende substituir o auxílio emergencial e o Bolsa Família.

Na máxima do dia, por volta das 13h30, o dólar chegou a encostar em R$ 5,68. O Banco Central interveio com venda de US$ 877 milhões à vista das reservas internacionais. Esse foi o primeiro leilão do tipo desde 21 de agosto.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela tensão. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), iniciou o dia em alta, chegando a subir 1,3% com a expectativa de que a segunda parte da proposta do governo sobre a reforma tributária seja enviada ao Congresso nesta semana. No entanto, o anúncio das fontes de financiamento do Renda Cidadã fez o indicador cair e fechar aos 94.666 pontos, em baixa de 2,41%.

Depois da sessão de hoje, o Ibovespa está no menor nível desde 26 de junho. A tensão entre os investidores decorreu da utilização de precatórios (dívidas reconhecidas após decisão definitiva da Justiça) e do Fundeb para financiar o futuro programa social.

No caso do Fundeb, as despesas encontrariam uma brecha legal para violarem o teto federal de gastos, pois as transferências para o fundo estão excluídas do limite de despesas. No caso dos precatórios, haveria a postergação de débitos ordenados pela Justiça para financiar um programa permanente do governo.  Agência Brasil 

* Com informações da Reuters

 

Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana