Connect with us

Internacional

Dólar deve encerrar 2020 nos R$ 6,00 e volatilidade vai se intensificar, diz economista

Publicado

em

Pixabay

André Perfeito – Economista Chefe – Necton

Andamento da moeda brasileira está atrelada, essencialmente, à cena interna do Brasil, principalmente à questão fiscal, mas acompanha ainda a segunda onda do coronavírus na Europa, as fases finais do Brexit e as incertezas sobre a recuperação da economia global pós pandemia.

Volatilidade deverá ser o nome do jogo para o mercado cambial no Brasil, conforme explica bem o economista chefe da Necton, André Perfeito, ao Notícias Agrícolas em entrevista nesta quinta-feira (15), quando o dólar voltou aos R$ 5,60. A projeção do especialista é de que a divisa chegue ao final de 2020 em R$ 6,00 e afirma ainda que a continuidade da desvalorização do real que pode continuar nos próximos meses está bastante atrelada à cena interna.

“Existe um nível de aversão à moeda do Brasil que é muito grande que é derivada por um nível de taxa de juro que é incompatível com o nível de risco do país. Estamos com uma taxa de juro real negativa, então o real não remunera suficientemente bem vis a vis o risco que o próprio mercado entende. Então, não tem segredo. Se o preço é determinado pelo mercado, isso vai se traduzir, necessariamente, em um jogo de depreciação do real”, diz.

Na análise de Perfeito, a questão central é a atual situação fiscal brasileira. “Acho que o problema do real é o real mesmo. Nossas condições econômicas estão fragilizadas (…) e o ponto central é a questão fiscal. Eles não conseguirão resolver os dilemas fiscais brasileiros em tempo hábil e isso é uma situação em que o real tende a se desvalorizar ainda mais”, explica o economista.

O que poderia mudar o rumo do mercado seriam fatores como o resultado das eleições norte-americanas – principalmente com uma eventual vitória do democrata Joe Biden – bem como o desfecho da questão do Brexit – que está em fases finais de negociação e implementação – e do futuro da segunda onda do coronavírus, que já assusta a Europa e cria ainda mais incertezas sobre o ritmo de recuperação da economia global.

Leia também:  Japão terá aplicativo para turistas alertando sobre desastres

 

Por:

Carla Mendes | Instagram @jornalistadasoja

Fonte:

Notícias Agrícolas

Continue Lendo
Patrocinado
Clique para comentar

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Internacional

Papa defende união civil entre homossexuais em documentário

Publicado

em

Por

"São filhos de Deus e têm direito a uma família", afirmou o papa. Foto: Divulgação/Vaticano

O papa Francisco defende, no filme “Francesco”, que entrou em cartaz nesta quarta-feira (21) na Itália, que os homossexuais sejam protegidos por leis de união civil.

“As pessoas homossexuais têm direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deverá ser descartado ou ser infeliz por isso”, diz ele no documentário.

“O que precisamos criar é uma lei de união civil. Dessa forma eles são legalmente contemplados. Eu defendi isso”, ele afirmou.

É a primeira vez que o papa se pronuncia abertamente em favor da união civil homossexual. Francisco já havia pregado o respeito aos gays, mas até então dizia que o casamento entre pessoas do mesmo sexo não está “no desenho de Deus”.

Em 2010, ainda arcebispo de Buenos Aires, Francisco se opôs publicamente aos esforços para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Argentina. No ambiente privado, no entanto, ele aprovaria a ideia.

Segundo um texto de 2014, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio chegou a dizer que estava aberto a aceitar a união civil como uma alternativa ao casamento entre pessoas do mesmo gênero.

Ele seria contra o “casamento gay”, mas concordaria que pessoas em união estável têm direitos.

O filme foi exibido no Festival de Roma nesta quarta-feira e, no domingo (25), deve passar nos Estados Unidosdurante o Savannah Film Festival. O filme aborda temas como a pandemia, racismo e abuso sexual, além de assuntos de geopolítica.

O jornal argentino “La Nación” adiantou que o filme apresenta um italiano gay, que vive em Roma, com três filhos. Ele teria escrito ao papa pedindo para enviar as crianças à paróquia, mas que tinha receio de que fossem discriminadas. O papa teria incentivado o homem a enviar as crianças, sem fazer julgamentos em relação à família formada por pais gays.

Leia também:  Estados Unidos bloqueiam todos os ativos da Venezuela

O Sul

Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Continue Lendo

Coronavírus

Unicef prepara estoque de 1 bilhão de seringas para futura vacina contra Covid-19

Publicado

em

Por

Unicef/Patrick Brown Funcionária de sáude prepara vacina em assentamento de refugiados rohingya em Bangladesh

Chefe da agência diz que vacinar o mundo contra o novo coronavírus será um dos maiores empreendimentos da história da humanidade; vários parceiros trabalham para garantir segurança, rapidez e eficácia da cadeia de distribuição.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef, vai reservar 520 milhões de seringas até o final do ano para garantir o abastecimento quando uma vacina contra a Covid-19 estiver pronta. Até 2021, o plano é chegar a 1 bilhão destes equipamentos.

Assim que as vacinas forem licenciadas, o mundo precisará de tantas seringas quantas doses de vacina. O objetivo é garantir que o tipo de equipamento chegue aos países antes das vacinas.

Cada dose de vacina precisa de uma seringa diferente, Unmiss/Tim McKulka

Preparação

Supondo que haja doses suficientes, o Unicef prevê a entrega de mais de 1 bilhão de seringas. Além disso, comprará 620 milhões para programas contra outras doenças, como o sarampo e febre tifoide.

Em comunicado, a diretora executiva do Unicef, Henrietta Fore, disse que “vacinar o mundo contra a Covid-19 será um dos maiores empreendimentos em massa da história da humanidade e é preciso agir tão rápido quanto a produção de vacinas.”

Segundo a chefe da agência, para isso acontecer, é preciso atuar agora. Para Fore,  as seringas “poderão ser enviadas de forma rápida e econômica.”

A agência está trabalhando com o seu parceiro Aliança Global de Vacinas, Gavi.

Distribuição

Além das seringas, o Unicef também está comprando 5 milhões de caixas de segurança para que os materiais possam ser descartados de maneira segura, evitando o risco de ferimentos e doenças transmitidas pelo sangue. Cada caixa contém 100 unidades.

Equipamentos de injeção têm vida útil de cinco anos. Os prazos de entrega também são longos, pois esses itens são volumosos e precisam ser transportados por frete marítimo.

As vacinas sensíveis ao calor são normalmente transportadas mais rapidamente por via aérea. Além de economizar tempo, a compra antecipada de seringas e caixas de segurança também reduz a pressão no mercado e previne picos iniciais de demanda.

Compra antecipada de seringas e caixas de segurança reduz a pressão no mercado e previne picos iniciais de demanda

Parceria

Como o principal coordenador de compras da Gavi, o Unicef já é o maior comprador individual de vacinas do mundo, adquirindo mais de 2 bilhões de doses de vacinas anualmente para imunização de rotina e resposta a surtos em nome de quase 100 países.

Leia também:  Nova arma do exército americano pode ter reconhecimento facial

Todos os anos, a agência fornece vacinas para quase metade das crianças do mundo, adquirindo e fornecendo entre 600 e 800 milhões de seringas para programas regulares de imunização. As vacinas contra a Covid-19 devem triplicar ou quadruplicar esse número.

Em comunicado, o diretor executivo da Gavi, Seth Berkley, lembrou que, ao longo de duas décadas, a Aliança Global de Vacinas ajudou mais de 822 milhões de crianças dos países mais vulneráveis ​​do mundo a ter acesso a vacinas essenciais.

Segundo ele, “isso não teria sido possível sem a parceria com o Unicef e é essa mesma colaboração que será fundamental para o trabalho da Gavi com o Covax.”

Segurança

Funcionário de saúde faz teste de Covid-19, Unicef Nepal

Para garantir que as vacinas sejam transportadas e armazenadas na temperatura certa, o Unicef e a OMS estão mapeando os equipamentos da cadeia de frio e a capacidade de armazenamento, tanto no setor privado quanto no público. Também estão preparando as orientações para os países receberem as vacinas.

Henrietta Fore disse que as agências estão “fazendo tudo o que podem para entregar esses suprimentos essenciais de forma eficiente, eficaz e na temperatura certa, como já fazem tão bem em todo o mundo.”

Mesmo antes da pandemia, com o apoio da Gavi e em parceria com a OMS, o Unicef estava atualizando o equipamento da rede de frio existente nas unidades de saúde dos países para garantir que as vacinas permaneçam seguras e eficazes durante toda a viagem.

Desde 2017, mais de 40 mil geladeiras de cadeia de frio foram instaladas em unidades de saúde, principalmente na África. Na maioria dos países, o Unicef promove tecnologias solares para ajudar a manter as cadeias de abastecimento.

No Sudão do Sul, por exemplo, o país menos eletrificado do mundo, onde as temperaturas frequentemente excedem 40 º C, mais de 700 unidades de saúde foram equipadas com geladeiras de energia solar, aproximadamente 50% das unidades de saúde do país.

Fonte: Nações Unidas

Leia também:  Cientistas portugueses detectam Parkinson com telemóveis e cintos inteligentes

Continue Lendo

Internacional

Noruega detecta novo tipo de coronavírus com capacidade de transmissão mais rápida

Publicado

em

Por

© AFP 2020 / Stian Lysberg Solum / NTB Scanpix

O país do norte da Europa descobriu uma nova estirpe do SARS-CoV-2, tendo encontrado oito novos casos da doença e colocado em quarentena mil pessoas em Trondheim recentemente.

As autoridades sanitárias norueguesas detectaram uma nova mutação do coronavírus no município central de Trondheim, afirmou na segunda-feira (19) a médica-chefe local Tove Rosstad.

“Não sabemos de onde veio este vírus. Nenhum desses tipos de vírus foi visto antes na Noruega. Pesquisamos bancos de dados internacionais, mas também não encontramos esse tipo lá”, revelou Rosstad à emissora NRK.

De acordo com a funcionária de saúde, as autoridades sanitárias norueguesas concluíram que o vírus sofreu mutações após começar a se comportar de forma diferente e a infectar as pessoas mais rapidamente do que antes. Rosstad acredita que o número de novos casos só vai crescer à medida que o número de testes aumenta.

Durante o fim de semana foram registrados em Trondheim oito novos pacientes com COVID-19 leve, sete dos quais correspondendo a jovens de mais de 20 anos.

A emissora disse que cerca de mil pessoas haviam sido colocadas em quarentena em Trondheim na semana passada, incluindo 800 que visitaram um clube noturno nos subúrbios. No entanto, as autoridades locais afirmaram que a situação continua sob controle.

Na segunda-feira (19), o número de casos de COVID-19 na Noruega chegou a 16.456, incluindo 278 mortes, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, EUA.

//Sputniknews

Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana