Connect with us

Boas Notícias

Brasil registra 4.635.315 de pessoas recuperadas

Publicado

em

Número é superior à quantidade de casos ativos, ou seja, pessoas que estão em acompanhamento médico. Informações foram atualizadas às 17h deste sábado (17/10)

O Brasil já registra mais de 4,6 milhões de pessoas curadas da Covid-19. No mundo, estima-se que pelo menos 24,1 milhões de pessoas diagnosticadas com Covid-19 já se recuperaram. O número de pessoas curadas no Brasil é superior à quantidade de casos ativos (435.372), que são os pacientes em acompanhamento médico. O registro de pessoas curadas já representa a grande maioria do total de casos acumulados (88,7%). As informações foram atualizadas às 17h deste sábado (17/10) e enviadas pelas secretarias estaduais e municipais de Saúde.

A doença está presente em 99,9% dos municípios brasileiros. Contudo, mais da metade das cidades (3.487) possuem entre 2 e 100 casos. Em relação aos óbitos, 4.612 municípios tiveram registros (82,8%), sendo que 743 deles apresentaram apenas um óbito confirmado.

O Governo do Brasil mantém esforço contínuo para garantir o atendimento em saúde à população, em parceria com estados e municípios, desde o início da pandemia. O objetivo é cuidar da saúde de todos e salvar vidas, além de promover e prevenir a saúde da população.

Dessa forma, a pasta tem repassado verbas extras e fortalecido a rede de atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), com envio de recursos humanos (médicos e profissionais de saúde), insumos, medicamentos, ventiladores pulmonares, testes de diagnóstico, habilitações de leitos de UTI para casos graves e gravíssimos e Equipamentos de Proteção Individual (EPIS) para os profissionais de saúde.

O Ministério da Saúde já destinou aos 26 estados e o Distrito Federal R$ 177,2 bilhões, sendo que desse total foram R$ 133 bilhões para serviços de rotina do SUS, e outros R$ 44,2 bilhões para a Covid-19. Também já foram comprados e distribuídos mais de 24 milhões de unidades de medicamentos para auxiliar no tratamento do coronavírus, 281,2 milhões de EPI, mais de 15,5 milhões de testes de diagnóstico para Covid-19 e 79,9 milhões de doses da vacina contra a gripe, que ajuda a diminuir casos de influenza e demais síndromes respiratórias no meio dos casos de coronavírus.

Leia também:  Lula pede juízo ao Congresso em discussão sobre volta da prisão após segunda instância

O Ministério da Saúde, em apoio a estados e municípios, também tem ajudado os gestores locais do SUS na compra e distribuição de ventiladores pulmonares, sendo que já entregou 11.218 equipamentos para todos os estados brasileiros.

As iniciativas e ações estratégicas são desenhadas conforme a realidade e necessidade de cada região, junto com estados e municípios, e têm ajudado os gestores locais do SUS a ampliarem e qualificarem os atendimentos, trazendo respostas mais efetivas às demandas da sociedade. Neste momento, o Brasil registra 5.224.362 casos confirmados da doença, sendo 24.062 registrados nos sistemas nacionais nas últimas 24h.

Em relação aos óbitos, o Brasil possui 153.675 mortes por coronavírus. Nas últimas 24h, foram registrados 461 óbitos nos sistemas oficiais, sendo que 364 óbitos ocorreram nos últimos três dias. Outros 2.302 permanecem em investigação.

Da Agencia Saúde

Continue Lendo
Patrocinado
Clique para comentar

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boas Notícias

Irmão salva vida de gêmeo com doação de sangue raro

Publicado

em

Por

Foto Assessoria de Imprensa HSVP/Caroline Silvestro

Leandro Oliveira dos Santos, de Lajeado do Bugre, descobriu que o único doador compatível com seu tipo sanguíneo é o seu irmão Leonardo

E se você precisasse de uma transfusão de sangue e tivesse apenas um doador no país compatível com seu tipo sanguíneo? Essa é a realidade do Leandro Oliveira dos Santos, de Lajeado do Bugre, que descobriu há dois anos que seu sangue é raro. A sorte de Leandro é que seu único doador é o irmão gêmeo, Leonardo. Que através do gesto da doação e sangue pode auxiliar o irmão e permitir que ele tenha uma vida com mais saúde.

Leandro foi diagnosticado com Doença Falciforme e conta que se sentiu mal e precisou de uma transfusão sanguínea, foi quando teve uma reação ao procedimento e precisou ser encaminhado para o Serviço de Hemoterapia do Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) de Passo Fundo, para investigar o porquê da reação.

“Não tenho explicação e palavras para agradecer meu irmão. Nossa, só ele ter o sangue compatível e poder doar para mim é algo sem palavras. Uma ligação única”, comenta Leandro.

Para o irmão, Leonardo poder ajudar o irmão em algo tão raro foi motivo de felicidade.

“Fico muito feliz em saber que posso ajudar ele. Fizemos os exames, descobri que podia doar e sempre que precisar vou estar disponível para doar sangue para ele”, enfatiza o irmão Leonardo.

O caso

Normalmente, o sangue raro é identificado durante solicitações de transfusões sanguíneas onde os testes pré-transfusionais são alterados com presença de alo-anticorpos e não tem sangue compatível.

“Há dois anos quando Leandro internou no HSVP, apresentou suspeita de alo-anticorpo, sem identificação de bolsa de sangue compatível. Devido aos resultados dos testes e suspeita de sangue raro, amostras de sangue foram encaminhadas primeiramente para o HEMOSC, após para o HEMORIO e devido à alta complexidade do caso, por fim, foi e o diagnóstico do caso foi feito pela UNICAMP. Identificou-se um anticorpo anti-Cromo 2, sendo o primeiro caso descrito no Brasil. Na mesma ocasião foi realizado estudo familiar sendo identificado o seu único doador no Brasil, seu irmão gêmeo bivitelino”, explica a Hemoterapeuta e Hematologista responsável pelo Serviço de Hemoterapia do HSVP, Dra. Cristiane Rodrigues do Araújo.

Leia também:  Educação financeira: como ensinar as crianças a lidarem com dinheiro

Ainda, conforme Cristiane pode ser mediante estudo familiar de casos de indivíduos já com diagnóstico de sangue raro ou durante doações de sangue, onde é realizado o estudo da fenotipagem eritrocitário (antígeno eritrocitário) do indivíduo.

“O antígeno da alta frequência é percebido quando mais do que 99% da população é positiva para um determinado antígeno. O conceito de sangue raro é subdivido em duas formas: indivíduos que apresentam ausência de antígenos de alta frequência – caso um paciente apresente esse fenótipo e já esteja aloimunizado, está sujeito ao risco de não encontrar doador de sangue compatível. Pode ser encontrado doador na razão de 1:1000 doadores ou menos. Ainda, indivíduos que apresentam combinação de múltiplos antígenos comuns negativos para os principais antígenos dos Sistemas de Grupos sanguíneos”, esclarece a especialista, pontuando que a definição de sangue raro pode ser distinta entre populações.

No Brasil, a prevalência de antígenos e fenótipos de grupos sanguíneos varia significativamente. Nossa população multiétnica deriva de europeus, africanos e indianos. Cada região do país tem predominância de uma dessas populações e, portanto, tipos específicos de grupos sanguíneos podem surgir em algumas regiões.

“No Serviço de Hemoterapia do HSVP, desde sua inauguração em 2011 até os dias de hoje, identificamos mediante programa de fenotipagem eritrocitária de doadores e pacientes, vários casos de sangue raros. Durante este período já foram descobertos mais de 17 pacientes e 33 doadores de sangue com fenótipos raros. Atualmente, disponibilizamos de atendimento ambulatorial médico específico para entrega de cartilha informativa e carteira de sangue raro para os nossos pacientes, familiares e doadores com sangue raro identificados na instituição”.

Leia também:  Após 16 dias na UTI, mulher de 59 anos infectada pelo coronavírus tem alta em Novo Hamburgo

O que é Doença Falciforme?

Cristiane descreve que a doença falciforme é um hemoglobinopatia que teve origem na África. Com a grande miscigenação que ocorre no Brasil, hoje a doença vem sendo observada também em indivíduos pardos e brancos. Isso faz com que a doença falciforme seja a enfermidade hereditária mais comum do Brasil.

“É uma doença sanguínea hereditária que acontece por conta de uma mutação dos glóbulos vermelhos do sangue. No período de crise, as hemácias modificam o seu formato, as células da membrana são alteradas e sua forma torna-se parecida com uma foice – daí o nome falciforme. Estes glóbulos rompem-se mais facilmente e causam a anemia”, destaca a Hemoterapeuta, salientando que é uma doença com quadro clínico variável, na forma grave infelizmente, não tem cura e que pode trazer implicações sérias e até mesmo levar a morte caso não tenha assistência adequada.

O tratamento da Doença Falciforme consiste no manuseio das crises e é baseado no local de desconforto e deve ser guiado por escalas analógicas de dor. Analgésicos orais podem ser suficientes para crises menores, enquanto opióides endovenosos podem ser empregados no controle da dor intensa. O suporte transfusional também é importante nesta patologia, por isso a importância do irmão de Leandro.

“Os pacientes são encaminhados pelo médico assistente ao Serviço de Hemoterapia HSVP onde passam por uma avaliação com o Hematologista/Hemoterapeuta, ao qual avalia a conduta a ser tomada, se será troca ou transfusão, baseado nos resultados dos exames laboratoriais como hemoglobina e hematócrito. Para ambos os procedimentos de troca (exsanguineo transfusão parcial) ou transfusão são utilizados concentrados de hemácias com fenotipagem estendida, evitando-se assim uma aloimunização”.

O teste do pezinho, realizado antes do bebê receber alta da maternidade, proporciona a detecção precoce de hemoglobinopatias, como a Doença Falciforme.

Leia também:  Verificação de Óbitos deve ter reforço de 66 milhões durante a pandemia

Campanha informa sobre Sangue Raro

Em 2020, o Serviço de Hemoterapia lançou a campanha permanente “Quando não existe doador, todo sangue é raro”, que visa alertar sobre os diferentes tipos de sangue e também da importância da doação, já que quando não há doadores, todo sangue pode vir a faltar. Cristiane enaltece a relevância de divulgar sobre o sangue raro na comunidade passo-fundense e região, para que as pessoas saibam da existência desse tipo de sangue e que “esse doador com sangue raro pode ser, no futuro, o paciente com sangue raro”.

Como aborda a campanha, todo doador é fundamental, pois sempre há quem precisa de sangue. Por isso, Leandro reforça a importância deste gesto.

“Quem pode tem que doar. O sangue pode não ser compatível com meu, mas sempre tem alguém esperando por um doador. Doar sangue é doar vida”, relata o paciente.

Fonte: Diário da Manha

Continue Lendo

Boas Notícias

Coronavac: Ministério da Saúde do Brasil fecha acordo por 46 milhões de doses da vacina

Publicado

em

Por

© Folhapress / Bruno Escolástico

Nesta terça-feira (20), o governo federal brasileiro anunciou a compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac.

Conforme publicou o portal G1, o investimento até janeiro será de R$ 2,6 bilhões e a vacina será incluída no calendário nacional de vacinação para todo o país. O anúncio foi feito durante reunião do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, com 24 governadores.

A Coronavac integrará o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do SUS, responsável no Brasil pelas campanhas de vacinação. A expectativa é de que a vacinação tenha início no primeiro semestre de 2021.

Anteriormente, o governo federal previa ter 140 milhões de doses de vacinas no primeiro semestre do ano que vem, sendo 100 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, e outras 40 milhões por meio da iniciativa COVAX, da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A vacina Coronavac vem sendo defendida pelo governo de São Paulo, que negociava há semanas o investimento anunciado para as doses. O governo paulista já havia afirmado que caso não houvesse acordo faria a distribuição por conta própria. Na semana passada, o Ministério da Saúde chegou a divulgar um calendário de vacinação sem a inclusão da vacina chinesa, que está em fase avançada de testes.

Segundo os dados da Universidade Johns Hopkins, o Brasil é o segundo país com mais mortes causadas pela COVID-19, com mais de 154 mil óbitos, atrás apenas dos Estados Unidos, que acumulam 220.649 mortes atribuídas ao novo coronavírus.

//Sputniknews

Continue Lendo

Boas Notícias

Mudanças no código de trânsito brasileiro passam a valer em abril de 2021

Publicado

em

Por

Foto: Divulgação

Dentre as principais alterações estão o aumento da validade da CNH e do limite de pontos.

As mudanças no código de trânsito brasileiro, sancionadas nesta semana pelo presidente da república, devem passar a valer em abril do ano que vem. O projeto, originalmente elaborado pela presidência no ano passado, passou por alterações na câmara dos deputados e no senado, até que foi devolvido para a sanção.

 

Dentre os principais aspectos alterados no ctb estão o aumento da validade da carteira de habilitação, que para motoristas com até 50 anos passou para 10 anos. O limite de pontos da cnh também foi alterado. Antes era de 20 pontos. Agora, varia de acordo com o número de multas gravíssimas que o condutor tomou, podendo o limite chegar até 40 pontos.

 

No ato da sanção, o presidente Jair Bolsonaro vetou oito trechos do texto enviado pelo congresso. Um deles é o que restringia o uso do chamado corredor pelas motos apenas quando o trânsito estivesse congestionado. No entanto, os vetos feitos pelo presidente serão analisados pelos deputados e senadores.

Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana