Connect with us

Brasil

Arroz com preço de caviar: o dragão da inflação bafeja novamente?

Publicado

em

©Tânia Rêgo/Agência Brasil
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Nos mercados, cidadãos reclamam dos preços. O dragão da inflação está voltando a atacar? A Sputnik investiga se o monstro bafeja novamente, e o que torna o arroz com feijão em caviar na mesa do brasileiro.

Na terça-feira (29), a Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou que o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) teve alta de 4,34% em setembro, contra avanço de 2,74% em agosto. Com o resultado, a taxa registra alta de 14,4% no ano, e de 17,94% em 12 meses.

Segundo o economista Ricardo Summa, professor da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), existe uma “pressão inflacionária” no país e o IGP-M “está bem alto”, embora avalie que esse índice não esteja se refletindo tanto na ponta final da cadeia, os preços ao consumidor.

“Por outro lado, a outra taxa, que é o Índice de Preços ao Consumidor [IPCA] ainda está baixo, menor do que 3% ao ano, o que é um valor pequeno em relação à média de preços”, disse à Sputnik Brasil.

Inflação atinge preços do atacado

Em agosto, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, subiu 0,24%, abaixo da taxa de 0,36% registrada em julho.

Apesar da desaceleração em relação ao mês anterior, trata-se do terceiro avanço seguido e o maior resultado para um mês de agosto desde 2016, quando o IPCA foi de 0,44%. Em agosto de 2019, a taxa registrou 0,11%. No acumulado em 2020, o IPCA tem alta de 0,70%, e em 12 meses, de 2,44%. A meta do governo para o ano é de 4%, com tolerância de 1,5 pontos para mais (5,5%) e para menos (2,5%).

“O IGP-M reflete muito nos preços do atacado, onde já há uma pressão inflacionária. Em alguns casos, isso acaba passando rapidamente para o consumidor. Em outros, demora. Um fertilizante usado na agricultura, por exemplo, que aumentou hoje, precisa de mais tempo para virar um custo de produção e o alimento ficar mais caro para o consumidor. É preciso que os estoques distribuídos aos supermercados terminem primeiro”, afirmou o economista.

IGP-M impacta poder de compra e na inflação

Para o especialista, “é muito provável que a inflação dos índices mais voltados ao mercado comece a se refletir nos preços ao consumidor medidos pelo IBGE daqui a cerca de três meses”.

“Além de tudo, contratos feitos com IGP-M afetam aluguéis e reajustes de preços monitorados, como energia elétrica, conta de telefone e Internet e planos de saúde. Toda vez que esse índice sobe muito, acaba tendo algum impacto no poder de compra das pessoas e na inflação”, afirmou Summa.

A maioria dos economistas, no entanto, não acredita na volta da inflação com os índices astronômicos da década de 80. As causas para a estabilidade dos preços, no entanto, nem sempre são positivas, explica o economista Guilherme Haluska.

“A inflação deve se manter sob controle no futuro, por dois motivos. Na conjuntura atual de desemprego elevado, os salários nominais [quantia que o trabalhador recebe] tendem a ter um crescimento baixo, sendo que este é um dos principais fatores que influenciam a inflação. Além disso, uma vez que o dólar se estabilize em algum patamar, esse efeito [do câmbio na inflação] também deve se dissipar. Entretanto, um cenário como esse não é necessariamente positivo, pois a inflação baixa é resultado do baixo crescimento e do alto desemprego, e por isso pode não vir acompanhada de uma dinâmica de crescimento dos salários reais”, disse o doutor em economia pela UFRJ à Sputnik Brasil.

‘Sempre conseguia guardar algo’

Para o brasileiro, alguns produtos já estão impactando o bolso. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação, ficou em 0,45% em setembro, maior taxa para o mês desde 2012, quando ficou em 0,48%.O que mais pesou no índice foram os alimentos e bebidas, que subiram 1,48%.

Leia também:  Brasileiros acreditam que inflação será de 5,1% nos próximos 12 meses

Nos supermercados, os consumidores reclamam da alta dos preços. O zelador Alexandre Rodrigo diz que o orçamento de casa tem ficado mais apertado ultimamente.

“Sempre conseguia guardar algo ao fim do mês, agora não está dando mais. Os preços estão subindo bastante, principalmente comida”, disse à Sputnik Brasil.

Já a empregada doméstica Elisângela Lima, que teve o salário reduzido durante a pandemia e recebe auxílio emergencial, cita arroz, leite e derivados e produtos de higiene como os atuais vilões da inflação.

“Minha renda caiu bastante, mesmo com o auxílio. Tive que diminuir outros gastos, como lazer. E mudar o cardápio, colocar mais farinha e menos arroz. Se não fosse o benefício, não daria para comprar quase nada”, afirmou à Sputnik Brasil.

Inflação da COVID-19

Um estudo do economista de Harvard Alberto Cavallo, filho do ex-ministro da Economia da Argentina Domingo Cavallo, detectou inclusive uma espécie de inflação da COVID-19 no mundo. Segundo a pesquisa, o Brasil é o país no qual as famílias mais sentiram a pressão no custo de vida durante a pandemia.

Cavallo comparou a inflação de produtos que passaram a ser mais consumidos em consequência da crise sanitária, como os alimentos e serviços de entrega, por exemplo, com a variação capturada pelos índices de preços ao consumidor existentes.

Entre as 18 nações analisadas pelo pesquisador, o Brasil registrou a maior disparidade entre o que ele batizou de inflação da COVID-19 e o indicador oficial.

Em junho, essa diferença foi de 0,9%. Segundo o economista, isso ocorre pela alta dos preços de itens como alimentos e a queda no preço dos transportes, por exemplo, menos utilizados durante a pandemia.

Arroz dispara, mas não pela demanda

inflação anual do arroz, por exemplo, chegou a 87%, índice que hoje está em cerca de 40%. Para Ricardo Summa, a alta do produto e dos alimentos não está ligado a um aumento da demanda causado pelo auxílio emergencial, que chegou a atender 66,2 milhões de brasileiros.

“Com certeza não é uma inflação de demanda. Caiu muito o PIB, que hoje não é o que era no começo do ano, está bem abaixo. Talvez, se tudo der certo, recupere o que estava no fim do ano passado, e isso porque já estava crescendo muito pouco, 1% ao ano. O arroz é uma commodity internacional, a demanda do Brasil por arroz não afeta o preço do arroz em dólar”, comentou Summa.

Leia também:  EXPOINTER 2019: Evento oferece opções divertidas para crianças

Segundo o economista, dois fatores explicam essa alta pronunciada do produto e de alguns outros itens no Brasil.

“É uma inflação de custo. Dois movimentos acontecendo ao mesmo tempo. Um é a desvalorização do real, que vem ocorrendo desde janeiro, diminuiu de ritmo agora, mas que no período foi muito alta. E, ao mesmo tempo,  os preços em dólar começam a subir: metais, commodities agrícolas, está tudo subindo em dólar, em razão da leve recuperação da economia internacional, que tinha praticamente parado. Essas duas coisas fazem com que exista um aumento dos preços em reais muito forte”, explicou o especialista.

‘Focos de inflação’

Para Guilherme Haluska, apesar de ter ocorrido um “aumento da inflação nos últimos meses, puxada principalmente pelos alimentos, a inflação ainda se encontra em um patamar historicamente baixo”. Ele também diz que a alta de alguns produtos não foi causada pelo crescimento da demanda.

“Esta alta dos preços mais recente é proveniente da inflação dos bens cujos preços são influenciados pela taxa de câmbio e pelos preços internacionais, que foram impactados pela desvalorização cambial do real acumulada desde o início do ano. Em um cenário de queda do PIB e da demanda agregada que tem sido observado nos últimos meses, é improvável que ocorra uma inflação de demanda de forma persistente e generalizada. Entretanto, mesmo num cenário como esse ainda podem ocorrer alguns focos de inflação de alguns produtos agrícolas, provocados por safras ruins, por exemplo”, disse o especialista.

//Sputniknews

Continue Lendo
Patrocinado
Clique para comentar

Deixe seu Comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Caixa libera R$ 25 bilhões em crédito para micro e pequenas empresas

Publicado

em

Por

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Ao todo, cerca de 200 mil empresas fecharam contratos

A Caixa atingiu nessa quarta-feira (21) a marca de R$ 25 bilhões disponibilizados para micro e pequenas empresas nas principais linhas de crédito durante a pandemia da covid- 19. Ao todo, cerca de 200 mil empresas fecharam contratos.

No Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), foram contratados R$ 12 bilhões desde 16 de junho, quando o banco começou a operar a linha.

Pelo Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), foram emprestados R$ 10,5 bilhões. Essa linha oferece taxa de juros a partir de 0,63% ao mês. O cliente tem até 60 meses para quitar o empréstimo e conta com uma carência nos pagamentos que varia de seis a 12 meses.

No caso do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe), em parceria com o Sebrae, foram liberados R$ 2,5 bilhões. Essa linha pode garantir, de forma complementar, até 80% de uma operação de crédito contratada, dependendo do porte empresarial do solicitante e da modalidade de financiamento.

Como contratar

Segundo a Caixa, para contratar qualquer uma das linhas, com exceção do Pronampe, que já teve seu limite atingido, os clientes podem acessar o site e preencher um formulário de interesse ao crédito.

O banco entrará em contato se a empresa estiver apta a contratar o financiamento. A solicitação também pode ser feita nas agências da Caixa.

Agência Brasil

Continue Lendo

Politica

Governo prorroga suspensão da prova de vida para servidores até o fim de novembro

Publicado

em

Por

Recadastramento é exigido no mês do aniversário de aposentados e pensionistas Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

O governo decidiu manter suspensa a exigência de recadastramento anual de servidores aposentados, pensionistas e anistiados políticos civis que recebem pelo Siape (Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos), a chamada prova de vida. A prorrogação vale até 30 de novembro e foi publicada nesta quinta-feira (22) no Diário Oficial da União.

A suspensão da prova de vida foi determinada em março, quando tiveram início no Brasil as medidas de isolamento social para conter a disseminação da Covid-19. A medida foi prorrogada uma vez até o dia 30 de setembro e depois passou a valer até o dia 31 de outubro.

O objetivo da suspensão é reduzir a possibilidade de disseminação da Covid-19 entre beneficiários, a maioria idosos. A prova de vida anual é obrigatória no mês de aniversário e é condição necessária para evitar a suspensão do pagamento do benefício.

Segundo a Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia, posteriormente, será estabelecido o prazo e a forma para a comprovação de vida de quem foi contemplado pela suspensão da prova de vida anual.

Na semana passada o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) também prorrogou, até 30 de novembro, a suspensão da prova de vida para os beneficiários do INSS.

O Sul

Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Continue Lendo

STF

Plenário do Senado aprova indicação de Kassio Nunes Marques para o STF

Publicado

em

Por

Samuel Figueira/Proforme/Direitos Reservados
Quer receber notícias do G10News pelo whatsapp? Clique aqui

Desembargador ocupará vaga aberta com aposentadoria de Celso de Mello

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (21) por 57 votos a 10 e uma abstenção a indicação do desembargador Kassio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), para Supremo Tribunal Federal (STF). Nunes foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga aberta com a aposentadoria do ministro Celso de Mello, que deixou a Corte poucas semanas antes de completar a idade limite para ocupar o cargo, de 75 anos.

O nome do magistrado foi aprovado na tarde de hoje, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, após pouco mais de 10 horas de sabatina. O desembargador respondeu sobre diversos assuntos na CCJ, entre eles a separação dos poderes, ativismo judicial, combate à corrupção, a Lava Jato, porte de armas, crime de homofobia, presunção de inocência, entre outros.

Durante a sabatina, o magistrado se definiu com perfil “garantista”. Para ele, o chamado “garantismo judicial” significa a aplicação da lei e da Constituição e não pode ser confundido com leniência.

“Sim, eu tenho esse perfil. O garantismo deve ser exaltado porque todos os brasileiros merecem o direito de defesa. Todos os brasileiros, para chegarem a uma condenação, precisam passar por um devido processo legal. E isso é o perfil do garantismo, que, de certa forma, pode estar sendo interpretado de uma forma diferente, inclusive com esse instituto do textualismo e o originalismo”, argumentou.

Segundo Nunes, o “garantismo” não atrapalha o combate à corrupção ou favorece a impunidade. “Não verifico nenhum conflito entre ser um juiz garantista e isso de alguma forma atrapalhar o combate à corrupção. Ao contrário, acho que chegaremos a uma construção muito mais justa ao final e sem margem para nulidade no processo”, completou.

Leia também:  Brasil tem 71.886 casos de coronavírus e 5.017 mortes, com recorde de 474 novos óbitos

Sob a alegação de estar impedido de comentar casos que possa vir a julgar se for confirmado para uma cadeira no Supremo, o desembargador, por outro lado, deixou de responder a alguns questionamentos, incluindo temas como a redução da maioridade penal, demarcação de terras indígenas e o inquérito das fake news, que tramita no STF sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes.

“Em razão da norma contida no inciso III do art. 36 da Lei da Organização da Magistratura Nacional (Loman), eu, na condição de magistrado, não tenho condição de emitir nenhuma opinião sobre processo que esteja na relatoria de um outro membro do Poder Judiciário”, disse o desembargador, ao ser questionado sobre as fake news (notícias falsas).

por Agencia Brasil

Continue Lendo

Newsletters

Receba as Notícias do Site direto em seu email! Cadastre-se gratuitamente:
Patrocinado
Patrocinado

Mais lidas da semana